quinta-feira, 28 de março de 2013

AULA INAUGURAL PARA OS PROFESSORES - LIE - EJA - 2013/2014

 







PROPOSTA DE ATIVIDADE - FANFICS - 2014


Vamos ouvir a história a seguir:

video

Agora vamos juntos criar uma dramatização no mesmo estilo para o roteiro a seguir:

 

Roteiro da Radionovela – Betão, o azarado!

Narrador – Duas horas da tarde, na clínica psicológica do Doutor Oswaldo, chega numa cadeira de rodas seu mais novo paciente: Beto.

Dr. Oswaldo – Então Beto, poderia me contar a sua história, o motivo que o trouxe aqui? Fique à vontade.

Beto – Bom, tudo começou há duas semanas, na sexta-feira 13...

__________________________________________________________

Narrador – Beto decide se encontrar pessoalmente com sua amante Mariana, que tinha conhecido pela internet, num chat.

Beto – Opa, hoje o trabalho que espere, vou entrar mais tarde, agora eu vou ao encontro de minha gatinha uhuuu!

Narrador – Beto pega seu carro, se despede de sua mulher e parte para o encontro. Eles marcaram numa praça ao lado do Shopping. Chegando lá, Beto sai do carro e espera Mariana. Mas um homem alto e forte se aproxima.

Negão – Fala Betão, demorei muito? Pensou que ia encontrar uma gatinha é, olha o tamanho da quadrada que eu tenho aqui na cinta, cara!

Beto – O quê? Você tá procurando alguém? Como sabe o meu nome? Olha deve ser algum engano.

Narrador – O cara logo puxou uma pistola de grosso calibre e roubou a carteira e o carro de Beto. Muito triste, Beto segue a pé para o trabalho que é do outro lado da cidade.

__________________________________________________________

Narrador – Chegando na metalúrgica bem atrasado, Beto é chamado no alto-falante.

Alto-Falante – Atenção funcionário Roberto Pereira da Silva, comparecer na diretoria da fábrica com urgência.

Narrador – Na sala do chefe, Beto recebe a triste notícia.

Chefe – Bom, senhor Roberto, infelizmente estamos fazendo um corte de funcionários e por motivo de faltas e atrasos o senhor está demitido.

Beto – Como assim? Mas chefe, eu tive uma manhã péssima. Já comecei o dia me estrepando e agora mais essa? Pela madrugada,  viu! Me dá um tiro logo na cabeça, merda!

Chefe – Acalme-se e passe no RH. Tenha um ótimo dia, tchau!

Narrador – Beto saiu e bateu a porta do escritório com tudo.

__________________________________________________________

Narrador – Depois de andar cerca de 15 km a pé, todo exausto e abatido, Beto chega em seu apartamento. Mas quando abre a porta de seu quarto leva um choque. Ele pega a sua mulher nos love com o seu professor da faculdade.

Som de conversinhas de amor.

Professor Manetta – Aahh, entrou alguém!!!

Beto – Mas que merda é essa? Fui assaltado de manhã, fui mandado embora daquele serviço, andei 15 km a pé e agora encontro o Manetta aqui? Vai pro inferno, aaaaaah!

Professor Manetta – Opa Betão, sua mulher é muito bacana, heim! Já tá garantido cinco pontos na prova final. Mas, cara, troca essa cama e esse colchão velho aí!

Beto – Nãoooo acreditooo, abre a janela, abre a janela, vou me matar, aaaaaah!

Narrador – Beto salta pela janela do 32º andar e se espatifa no chão. Mas não morre.

Beto – Ai ai aiii, que droga, ainda tô vivo, mas não consigo mexer minhas pernas. Nãoooooooo, socorro, socorro!

Narrador – Beto não morreu, mas ficou paraplégico.

__________________________________________________________

Narrador – Duas semanas depois, lá estava Beto no consultório do psicólogo Oswaldo.

__________________________________________________________

Beto – Bom, Doutor Oswaldo essa foi minha história, meu dia de azar. Ufa, sorte que agora tô aqui com o senhor. Meu amigo me indicou essa consulta psicológica baratinha, por 50 reais né?

Dr. Oswaldo – Beto, deve ter ocorrido algum engano, você entendeu errado. Na verdade são oito parcelas de 50 reais a consulta.

Beto – Nãoooooooooooooo, aaaaaah!

Narrador – Fim

Trilha Sonora – The Trashmen – Surfin’ Bird

&&&&&&&&&&&&&&Fonte adaptada: http://contoseroteiros.blogspot.com.br/2012/08/trabalho-de-faculdade-roteiro-de.html




















5 etapas para realizar uma
 boa pesquisa escolar 

1) FORMULAR UMA BOA PERGUNTA


O primeiro passo para organizar uma situação de investigação que funcione como ferramenta didática é definir o tema de estudo e, em seguida, criar uma pergunta ou situação-problema que desperte na turma a vontade de saber mais.

 Fechada a questão norteadora, antecipe dúvidas ou questões secundárias, que surgirão durante os debates e as descobertas realizadas. Uma boa estratégia é você realizar previamente a pesquisa, levando em conta o nível de conhecimento dos estudantes, as necessidades de aprendizagem e os obstáculos que deverão enfrentar. Essa simulação vai possibilitar ajustes na situação-problema (é possível perceber se o resultado não será o esperado, dessa forma será preciso reformular a questão, por exemplo) e no planejamento das intervenções. 

O tema da pesquisa deve ser atraente e estimulante. "É preciso certo grau de conhecimento sobre o que será investigado para ter a curiosidade despertada e querer se aprofundar no tema", explica Pedro Demo. Não adianta definir como foco a bolsa de valores, por exemplo, se os alunos nunca ouviram falar nesse assunto e nem possuem um repertório básico para iniciar a procura. Por isso, antes de propor o trabalho, é importante falar sobre o assunto e exibir vídeos, fotos e outros materiais para aproximar a turma do assunto que será estudado.  

O grande desafio é formular questões abrangentes e que permitam diferentes soluções e interpretações, sem ser genéricas ou apenas opinativas. 


 2) INDICAR FONTES SEGURAS


 A base de qualquer pesquisa são os materiais que os alunos vão analisar. Por isso, a escolha deles deve ser criteriosa e feita, necessariamente, por você assim que começar a planejar a atividade. 

A consulta à internet é um capítulo à parte. Já está claro que a pesquisa na rede sem orientação não é uma atividade pedagógica produtiva. Alerte os alunos para a importância das referências sobre cada fonte consultada (Quem é? Quando disse isso? Por quê?). Esse cuidado ajuda a chancelar a qualidade do trabalho e a demonstrar que há sempre algum viés ideológico e que não existe fonte neutra. 

3) ENSINAR A INTERPRETAR


A etapa mais importante da pesquisa escolar é, sem dúvida, a interpretação de tudo o que foi lido, visto e experimentado durante o processo. "Com a ajuda do professor, os alunos vão conhecer modelos mais claros de leitura para estudar, aprender a tomar notas, fazer resumos e analisar imagens e procedimentos de observação e experimentação"

 4) ORIENTAR A PRODUÇÃO ESCRITA 


A escrita é uma poderosa ferramenta de organização do conhecimento e favorece o aprofundamento do tema abordado. Por isso, é fundamental que você oriente a turma sobre como tomar notas e elaborar resumos que ajudem na seleção de informações que respondam à questão proposta. 

5) SOCIALIZAR OS TRABALHOS


Os resultados das investigações feitas pelos alunos devem ser mostrados aos colegas.

 EXEMPLO:

Pergunta: "Onde os leões moram?", "Como eles nascem e conseguem comida?". O tema leões foi escolhido pela turma.

Busca: Livros literários e informativos, fotografias, revistas, documentários, visita ao zoológico e entrevista com uma bióloga. 

Interpretação: A professora deixou que as crianças explorassem os livros em busca de informações, apoiando-se nas imagens. Para que respondessem às questões, ela ajudava lendo trechos importantes. 

Escrita: As perguntas foram registradas em um quadro. Após as leituras, as crianças identificavam informações importantes sobre o tema, como o habitat dos leões, e ditavam para a professora. No zoológico, elas fizeram desenhos de observação, registrando as características do comportamento e da aparência dos animais.

Socialização: As informações reunidas durante a pesquisa e registradas em desenhos deram origem a uma ficha técnica da espécie, que virou um livro. 

http://revistaescola.abril.com.br/planejamento-e-avaliacao/planejamento/cinco-etapas-realizar-boa-pesquisa-escolar-607946.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário